Negócios

Frente a mudanças na moda brasileira, Shop2gether investe R$ 40 mi para ampliar opções masculinas

A empresa atua como uma plataforma de curadoria de luxo e está trazendo marcas como US Polo, Adidas Forum e Calvin Klein White Label

Ana Isabel Carvalho Pinto, do Shop2gether: Se os grupos estão cada vez se fechando mais, eu começo a trazer marcas internacionais e a vender para fora (Grupo Icomm/Divulgação)

Ana Isabel Carvalho Pinto, do Shop2gether: Se os grupos estão cada vez se fechando mais, eu começo a trazer marcas internacionais e a vender para fora (Grupo Icomm/Divulgação)

Marcos Bonfim
Marcos Bonfim

Repórter de Negócios

Publicado em 10 de julho de 2024 às 09h00.

Última atualização em 10 de julho de 2024 às 11h39.

Não é de hoje que se fala sobre o interesse dos homens em moda, uma tendência que avança a cada ano. De acordo com a Statista, o mercado de moda masculina saltou globalmente de 31,7% em 2018 para 42,5% em 2023. 

Essa é uma mudança que pode ser percebida também nos números do Shop2gether, plataforma de curadoria de moda de luxo em que as roupas masculinas já representam 44% das compras. Até por isso, o catálogo está sendo reforçado com investimentos de R$ 40 milhões para a aquisição de produtos e estratégias de marketing.

As novas opções chegam com marcas internacionais como:

  • US Polo
  • Adidas Forum
  • Calvin Klein White Label
  •  OUS
  • La Martina

Os investimentos procuram acompanhar uma outra tendência no mercado nacional: o interesse por marcas de fora.

"Nós percebemos um histórico em que as marcas internacionais ganham cada vez mais relevância para o público nacional. Estamos falando de Hugo Boss, de Tommy Hilfiger e de marcas até então não consumidas pelo grande público. Nos últimos 12, 18 meses, essas marcas despontaram e estão ganhando o espaço de muitas marcas nacionais", afirma Ana Isabel Carvalho Pinto, co-fundadora e CMO do Shop2gether. 

O negócio foi criado em 2012 para apresentar lançamentos e produtos exclusivos de marcas nacionais, como Ricardo Almeida, Cris Barros e Água de Coco, e ainda de estilistas fora dos holofotes. Desde 2017, faz parte do Icomm, grupo criado após a fusão entre o Shop2gether e  OQvestir, cujo faturamento ficou em R$ 350 milhões em 2023, alta de 15% em relação ao ano anterior.

A estratégias para ganhar mercado

Por cerca de 12 anos, o estoque do Shop2gether ficou dedicado às novidades costuradas por estilistas e designers brasileiros. Desde o começo do ano, as marcas internacionais passaram a integrar as araras nos galpões da empresa. 

As femininas Coperni, Magda Butrym, Si Rossi, Alexandre Vauthier, Proenza Schouler, Rosantica, Ganni, Staud, Mercer e Olympia Le Tan foram as primeiras. 

A nova estratégia está em linha com as mudanças no mercado, com o comércio transfronteiriço em alta. "As pessoas têm acesso a tudo que é vendido no mundo inteiro. A nossa competição deixou de ser local e passou a ser global", diz.

Para competir neste cenário, além de reforçar o repertório, a empresa se apega à curadoria na escolha das peças e também em atributos de comodidade e facilidade no momento da compra. É a experiência, a partir da curadoria, e não o preço, que mexe com o dia a dia da empresa.

"Nós entendemos que comprar digitalmente é uma coisa que pode gerar arrependimento. Por exemplo, por lei, o cliente tem 7 dias para devolver as peças. Aqui, aplicamos 30 dias", afirma. De acordo com a executiva, o índice de satisfação - o NPS, no jargão do mercado -, está na casa de 86. Outra forma com a qual a empresa procura se diferenciar é a partir da logística. 

Na pandemia, o Shop2gether criou a Icommlog, para entregas em até seis horas em São Paulo após a compra. Nas demais capitais, os produtos saídos do centro de distribuição em Extrema, município no interior de Minas Gerais, chegam em até um dia. 

Está pensando em empreender? Participe de canal EXAME Empreenda no WhatsApp e receba dicas e informações em primeira mão. Te esperamos lá.

O ataque é a melhor defesa

A entrada de produtos de marcas internacionais se soma a outros movimentos do grupo Icomm. Nos últimos anos, a companhia criou as marcas próprias 2Essential (Shop2gether) e Market 33 e Basiq (OqVestir), que juntas respondem por 15% da receita.

“A ideia é oferecer um produto com qualidade igual ou superior ao das marcas que já estão disponíveis no mercado, porém com um preço um pouco melhor”, afirma Ana Isabel. Atualmente, o tíquete médio da operação é de R$ 600,00.

É com essas marcas criadas dentro de casa que o Shop2gether - e o Grupo Icomm em si - pretende fazer um movimento de ir para fora. O plano está em estudos pela empresária e os seus sócios e deve sair do papel a partir de 2025. Até agora, a empresa fez uma única experiência internacional, em José Ignacio, o conhecido balneário no Uruguai, a cerca de 30 km de Punta del Este. 

“A ideia é levar a marca para fora. Para lá, levamos o cashmere, que surpreendeu em vendas. Já estamos colocando o pezinho na internacionalização. Se os grupos estão cada vez se fechando mais, eu começo a trazer marcas internacionais, a vender para fora. É assim que olhamos o nosso crescimento nos próximos anos”, diz a executiva. Para este ano, o grupo projeta um crescimento de 20%, alcançando R$ 420 milhões em receita.

Acompanhe tudo sobre:ComprasModaTendências

Mais de Negócios

Ranking Negócios em Expansão 2024: veja a lista das empresas selecionadas

Ranking Negócios em Expansão 2025: seja informado sobre quando as inscrições estiverem abertas

Da sidra ao vinagre

A grande aposta

Mais na Exame