Mundo

Por que navio imenso da Guarda Costeira da China causa tensão nas Filipinas?

Em disputa territorial no Mar do Sul da China, embarcação chinesa de grande porte gerou apreensão na região

Embarcação 'gigantesca' da China está próximo das Filipinas e incomodou o governo local. (NurPhoto/Getty Images)

Embarcação 'gigantesca' da China está próximo das Filipinas e incomodou o governo local. (NurPhoto/Getty Images)

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 8 de julho de 2024 às 12h09.

A China ancorou um de seus dois principais navios da guarda costeira dentro da zona econômica exclusiva (ZEE) das Filipinas na semana passada. Um oficial filipino classificou isso como um ato de intimidação no contexto da disputa territorial em andamento entre Pequim e Manila no Mar do Sul chinês. As informações são da CNN.

O porta-voz da Guarda Costeira das Filipinas, Jay Tarriela, afirmou que o navio da Guarda Costeira da China ancorou perto do Banco de Sabina, nas Ilhas Spratly, a cerca de 130 quilômetros da ilha filipina de Palawan, em 3 de julho, dentro da ZEE de 370 quilômetros de Manila. Com um deslocamento de 12 mil toneladas e um comprimento de 165 metros, o CCG-5901 é três vezes maior que os principais navios de patrulha da Guarda Costeira dos Estados Unidos, conhecidos como National Security Cutters.

Em uma coletiva de imprensa, o Ministério das Relações Exteriores da China negou que a área em questão faça parte da ZEE das Filipinas, afirmando que os navios militares e policiais da China patrulham e aplicam a lei nas águas próximas ao Banco de Sabina de acordo com a lei chinesa e internacional. A China reivindica soberania indiscutível sobre quase todo o Mar do Sul da China, incluindo muitas ilhas e bancos de areia que estão a centenas de quilômetros do continente chinês. Vários governos, incluindo Manila, têm reivindicações concorrentes na região

Decisão de 2016

Em 2016, um tribunal internacional em Haia decidiu a favor das Filipinas em uma disputa histórica, concluindo que a China não tem base legal para reivindicar direitos históricos sobre a maior parte do Mar do Sul da China. No entanto, Pequim ignorou a decisão e continuou a reforçar suas reivindicações marítimas, com navios da Guarda Costeira chinesa envolvidos em múltiplos confrontos no último ano, resultando em danos a navios e ferimentos em marinheiros filipinos.

Um confronto perto do Banco de Segundo Thomas em junho teve oficiais da Guarda Costeira chinesa brandindo machados e outras ferramentas afiadas contra soldados filipinos, danificando seu barco inflável. Um soldado filipino perdeu um polegar durante o confronto. Embora o CCG-5901 não estivesse envolvido nesse incidente específico, ele tem patrulhado áreas da ZEE das Filipinas desde então.

O tamanho maciço do CCG-5901 permite que ele intimide seus vizinhos enquanto evita as implicações de enviar um navio militar de casco cinza. Guardas costeiras, conhecidos como navios de casco branco por causa de sua cor, geralmente são atribuídos a operações de aplicação da lei e busca e salvamento. Na maioria dos países, não se espera que participem de operações militares.

A Guarda Costeira dos EUA, por exemplo, faz parte do Departamento de Segurança Interna americana, não do Departamento de Defesa, embora os navios da Guarda Costeira dos EUA possam ficar sob controle da Marinha dos EUA em certos cenários. A Guarda Costeira da China faz parte da Polícia Armada do Povo, que está sob o comando da Comissão Militar Central do país.

Analistas dizem que essa é uma diferença chave entre as duas agências de guarda costeira. O CCG-5901 não é realmente destinado a missões tradicionais de guarda costeira, mas é usado principalmente como um elemento central na força marítima paramilitar da China.

Acompanhe tudo sobre:FilipinasEstados Unidos (EUA)ChinaMilitaresGuerras

Mais de Mundo

Eleição nos EUA: Trump vai inflamar ou moderar o discurso na convenção republicana?

Biden continua apresentando sintomas leves de covid-19, diz médico do presidente

Aliada de Macron é eleita presidente do Parlamento em 1º teste de forças após as eleições na França

Maduro fala em risco de 'banho de sangue' se for derrotado nas eleições da Venezuela; veja vídeo

Mais na Exame