Mundo

OEA repudia tentativa de golpe na Bolívia e aborda crises na Nicarágua e Haiti

Organização dos Estados Americanos de reuniu em assembleia na quinta-feira, 27

O chanceler paraguaio e presidente da Assembleia Geral da OEA, Rubén Ramírez Lezcano (C), discursa ao lado do secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), o uruguaio Luis Almagro (E), e do secretário-geral adjunto, o belizenho Néstor Méndez, durante o 54º Período Ordinário de Sessões no Paraguai, em 27 de junho de 2024 (AFP/AFP)

O chanceler paraguaio e presidente da Assembleia Geral da OEA, Rubén Ramírez Lezcano (C), discursa ao lado do secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), o uruguaio Luis Almagro (E), e do secretário-geral adjunto, o belizenho Néstor Méndez, durante o 54º Período Ordinário de Sessões no Paraguai, em 27 de junho de 2024 (AFP/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 28 de junho de 2024 às 08h06.

Última atualização em 28 de junho de 2024 às 08h09.

A Organização dos Estados Americanos (OEA)  aprovou nesta quinta-feira, 27, por unanimidade, durante a assembleia geral da organização em Assunção, uma resolução em repúdio à tentativa de golpe de Estado registrada na véspera na Bolívia, ao mesmo tempo em que colocou o foco nas crises de Nicarágua e Haiti, e na insegurança na região.

A resolução assegura que a Organização dos Estados Americanos (OEA) resolveu "condenar energicamente o movimento ilegal de unidades do Exército do Estado Plurinacional da Bolívia" e expressa sua solidariedade com o povo boliviano.

"Estamos muito orgulhosos de sermos copatrocinadores dessa resolução e afirmamos que nosso compromisso é com a democracia", disse a jornalistas em Assunção Richard Verma, adjunto do secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken.

Na quarta-feira, militares tentaram derrubar uma porta do palácio presidencial de La Paz, uma manobra que o presidente boliviano, Luis Arce, qualificou como "golpe de Estado". Seu governo anunciou nesta quinta a detenção de 17 pessoas suspeitas de participação na tentativa de golpe, entre militares ativos e da reserva e vários civis.

O fato causou repúdio generalizado de todos os representantes dos Estados-membros enquanto os eventos ocorriam, incluindo o presidente anfitrião, o paraguaio Santiago Peña, e o secretário-geral da OEA, Luis Almagro.

O embaixador da Bolívia junto à organização, Héctor Enrique Arce, agradeceu a "rápida reação" dos países-membros e a considerou "um dos elementos que favoreceram e foram determinantes para o fracasso de uma tentativa desestabilizadora", no âmbito desta 54ª assembleia geral, que se realiza na sede da Conmebol em Assunção e terminará na sexta-feira.

Nesta quinta, em duas praças do centro da capital paraguaia, dezenas de opositores aos governos de Cuba, Nicarágua e Venezuela protestaram para pedir à OEA que inclua, na declaração final da assembleia, a reivindicação pela libertação imediata de políticos presos nesses países.

No ato, os manifestantes soltaram balões brancos "como símbolo pela libertação de mais de 1.600 presos políticos na região; mais de 1.100 estão em Cuba", disse a líder cubana dissidente Rosa María Payá em declarações à AFP.

Cuba foi reintegrada à OEA em 2009 após ter sido expulsa em 1962, mas não participa ativamente da organização. Já a Venezuela abandonou o órgão hemisférico em 2019, acusando-o de ser um "espaço de dominação imperial", e a Nicarágua o fez no ano passado, a pedido de seu presidente Daniel Ortega.

Nicarágua, Haiti e a insegurança

A OEA aprovou, ademais, uma resolução para o "acompanhamento da situação na Nicarágua".

As relações do país centro-americano com a comunidade internacional se tensionaram desde a repressão aos protestos de 2018 contra o mandatário nicaraguense, no poder desde 2007 e reeleito sucessivamente.

Também foi aceita uma resolução orientada a mitigar a crise humanitária e política no Haiti, que recentemente recebeu uma missão de assistência policial do Quênia para combater as gangues que têm afundado o país caribenho em uma grave crise.

A delegada haitiana, a chanceler Dominique Dupuy, assegurou que seu governo, recém-eleito no final de maio, em meio a uma longa instabilidade política, está decidido a "tomar todas as medidas necessárias para retornar aos acordos de transição política".

Além disso, afirmou, velará pelo "retorno ao Estado de Direito, justiça social e eleições para renovar o quadro político".

A assembleia também colocou a lupa no combate ao crime e à insegurança. Entre outros, a ministra das Relações Exteriores do Equador, Gabriela Sommerfeld, denunciou a "devastadora presença na região [do crime organizado] e seu alarmante caráter transnacional".

Localizado entre Colômbia e Peru - os maiores produtores mundiais de cocaína -, o Equador deixou há anos de ser uma ilha de paz e se tornou um centro logístico para o envio de drogas, principalmente cocaína, para Europa e Estados Unidos.

Acompanhe tudo sobre:BolíviaOEAMilitares

Mais de Mundo

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Discurso de Trump não empolga e foco volta para possível saída de Biden; veja episódio

Telão da Times Square fica escuro após apagão cibernético; veja vídeo

Mais na Exame