Mundo

Arce diz que "quem nega o golpe está se alinhando com a direita"

Presidente da Bolívia falou mais uma vez sobre a tentativa frustrada de golpe militar que aconteceu na última semana

O Presidente da Bolívia, Luis Arce (C), e o Vice-Presidente, David Choquehuanca (L), participam da celebração do solstício de inverno e do Ano Novo do povo indígena andino, que marca o início do ano 5532, no sítio arqueológico de Tiwanaku, a cerca de 70 km de La Paz, em 21 de junho de 2024 (AIZAR RALDES/AFP)

O Presidente da Bolívia, Luis Arce (C), e o Vice-Presidente, David Choquehuanca (L), participam da celebração do solstício de inverno e do Ano Novo do povo indígena andino, que marca o início do ano 5532, no sítio arqueológico de Tiwanaku, a cerca de 70 km de La Paz, em 21 de junho de 2024 (AIZAR RALDES/AFP)

EFE
EFE

Agência de Notícias

Publicado em 5 de julho de 2024 às 07h42.

Última atualização em 5 de julho de 2024 às 07h42.

O presidente da Bolívia, Luis Arce, disse que "aqueles que negam o golpe de Estado estão se alinhando com a direita", uma semana após militares cercarem a sede do governo, em La Paz.

"É um golpe de Estado, está claro. Aqueles que não veem isso estão se alinhando com a direita, estão se alinhando com os interesses antinacionais que estamos combatendo juntos", declarou o presidente boliviano durante a cerimônia de aniversário da União de Conselhos para o Desenvolvimento dos Ayllus em Paz, no departamento de Potosí, na quinta-feira, 4.

O presidente boliviano fez essas declarações uma semana após a ação militar sob o comando do ex-comandante do Exército, general Juan José Zuñiga, que por algumas horas colocou o país em alerta.

Arce agradeceu ao povo boliviano por ter "reagido bem" durante a invasão militar e, por essa razão, confirmou uma mobilização dos setores sociais para 12 de julho.

"(A convocação é) para demonstrar à direita, àqueles que apoiam a direita, àqueles que estão fazendo cálculos eleitorais e não estão pensando no povo boliviano, que o povo boliviano nunca mais permitirá que a democracia seja tirada de suas mãos", afirmou.

Nesta quinta-feira, sindicatos e setores sociais favoráveis ao governo de Arce anunciaram uma mobilização para a próxima semana em La Paz em "defesa da democracia" e para expressar seu apoio ao presidente após o levante militar de 26 de junho.

Os setores planejam se reunir em El Alto, uma cidade vizinha a La Paz, e caminhar de lá até a Praça Murillo, sede dos poderes Executivo e Legislativo.

Na semana passada, militares sob o comando de Zuñiga assumiram o controle da sede presidencial em La Paz por algumas horas.

Depois que Arce substituiu o alto comando militar no mesmo dia, Zuñiga e as tropas se retiraram, o ex-comandante foi detido e agora está em uma penitenciária no centro do país.

Durante sua detenção, Zuñiga acusou o presidente Arce de ter ordenado a ação militar para "aumentar sua popularidade".

Além disso, o ex-presidente boliviano Evo Morales, que é colega de partido de Arce, acusou o governante de ter feito um autogolpe.

Em entrevista à Agência EFE, Arce afirmou que nunca teve uma relação próxima com Zuñiga e que "alguém falou no ouvido" do ex-chefe militar para fazê-lo acreditar que "ele poderia ser presidente".

Acompanhe tudo sobre:BolíviaMilitares

Mais de Mundo

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Discurso de Trump não empolga e foco volta para possível saída de Biden; veja episódio

Telão da Times Square fica escuro após apagão cibernético; veja vídeo

Mais na Exame