Mundo

Furacão Beryl ganha força como tempestade de Categoria 4 e se aproxima do Caribe

Ciclone tropical pode causar danos "potencialmente catastróficos" com seus ventos enquanto se move pelas Ilhas de Sotavento

Um homem se prepara para fechar uma vitrine enquanto as pessoas se preparam para a chegada do furacão Beryl em Bridgetown, Barbados, em 30 de junho de 2024. Beryl, o primeiro furacão de 2024 (AFP/AFP)

Um homem se prepara para fechar uma vitrine enquanto as pessoas se preparam para a chegada do furacão Beryl em Bridgetown, Barbados, em 30 de junho de 2024. Beryl, o primeiro furacão de 2024 (AFP/AFP)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 1 de julho de 2024 às 11h17.

Última atualização em 1 de julho de 2024 às 17h56.

O Furacão Beryl ganhou ainda mais força na manhã desta segunda-feira, 1º, e passou para a Categoria 4 enquanto avança pelas Ilhas de Sotavento, colocando várias comunidades insulares em perigo com surtos de tempestade potencialmente fatais, ventos violentos e inundações repentinas.

À medida que o amanhecer se aproximava, um alerta de furacão estava em vigor para Barbados, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Granada e a ilha de Tobago. Martinica e Trinidad estavam sob alerta de tempestade tropical, enquanto Dominica e partes do Haiti e da República Dominicana estavam sob vigilância de tempestade tropical.

Os furacões no Oceano Atlântico têm agora o dobro de probabilidade de se transformarem de uma tempestade fraca em um furacão de Categoria 3 ou superior em apenas 24 horas, de acordo com um estudo publicado no ano passado.

Ventos devastadores de Beryl ocorrerão onde o olho do furacão, a área que cerca o olho do furacão, passa pelas ilhas. Nas elevações mais altas das colinas e montanhas das ilhas, os ventos podem ser ainda mais fortes.

Segundo Philip Klotzbach, especialista em previsões sazonais de furacões da Universidade do Estado do Colorado, Beryl é o terceiro furacão importante mais precoce já formado no Atlântico. Os únicos furacões a terem se formado mais cedo em um ano civil foram Alma em 8 de junho de 1966 e Audrey em 27 de junho de 1957.

Beryl se tornou uma tempestade tropical na sexta-feira, quando seus ventos sustentados atingiram 39 milhas por hora. Aos 120 km/h, uma tempestade se torna um furacão.

Ambos atingiram a costa dos Estados Unidos no Golfo do México: Alma perto de St. Marks, Flórida, e Audrey perto de Port Arthur, Texas.

Países se preparam para Beryl

A primeira-ministra, Mia Mottley, de Barbados, dirigiu-se à nação no domingo à noite para fornecer uma atualização sobre Beryl. Ela disse que o furacão deveria passar cerca de 129 quilômetros ao sul da ilha, trazendo ventos fortes de tempestade tropical de 65 a 96km/h e a possibilidade de rajadas de vento alcançando força de furacão.

Ela observou que abrigos em todo o país estavam abertos e se preparando para aqueles que buscavam refúgio da tempestade. Ela disse que "algumas centenas" de pessoas já haviam chegado aos 33 abrigos oficiais em toda a ilha.

O primeiro-ministro, Dickon Mitchell, de Granada, disse que o país estaria sob estado de emergência a partir das 19h de domingo. Exceto pela polícia e trabalhadores essenciais, "espera-se que todos estejam em suas casas ou em abrigos", disse ele.

Em um pronunciamento nacional no domingo, Ralph Gonsalves, o primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, instou os moradores a levarem a tempestade a sério, dizendo que muitos edifícios poderiam perder seus telhados. O primeiro-ministro ordenou que, a partir das 19h de domingo, as pessoas permanecessem onde estavam. Abrigos de emergência estavam programados para abrir às 18h de domingo.

Em Santa Lúcia, o primeiro-ministro, Philip J. Pierre, anunciou um fechamento em todo o país às 20h30 de domingo, com escolas e empresas permanecendo fechadas na segunda-feira.

Esta temporada de furacões é esperada para ser movimentada. Os meteorologistas alertaram que a temporada de furacões do Atlântico de 2024 poderia ser muito mais ativa do que o normal.

No final de maio, a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica previu de 17 a 25 tempestades nomeadas este ano, um número "acima do normal" e uma previsão em linha com mais de uma dúzia de previsões feitas anteriormente por especialistas de universidades, empresas privadas e agências governamentais. As temporadas de furacões geralmente produzem em média 14 tempestades nomeadas.

As previsões sazonais de furacões foram notavelmente agressivas porque os meteorologistas, ao observarem o início da temporada, viram uma combinação de circunstâncias que não existiam nos registros desde meados do século 19: temperaturas da água do oceano Atlântico recordes e a formação potencial do padrão meteorológico conhecido como La Niña.

Quando forte, La Niña normalmente proporciona um ambiente calmo no Atlântico. Isso permite que as tempestades se desenvolvam mais facilmente e se fortaleçam sem interferência de padrões de vento que de outra forma poderiam impedi-las de se organizar.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

'A defesa da democracia é mais importante do que qualquer título', diz Biden em discurso

Governo Lula se diz irritado com falas de Maduro, mas evita responder declarações

Netanyahu discursa no Congresso americano sob protestos de rua e boicote de dezenas de democratas

Em discurso a irmandade negra, Kamala pede ajuda para registrar eleitores e mobilizar base a votar

Mais na Exame