Mundo

Eleições na França: extrema direita e rivais tentam angariar votos na reta final

Reagrupamento Nacional (RN) de Le Pen venceu as eleições europeias de 9 de junho

Assembleia Nacional francesa (AFP/AFP)

Assembleia Nacional francesa (AFP/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 5 de julho de 2024 às 12h50.

Última atualização em 5 de julho de 2024 às 18h24.

A extrema direita e seus rivais lançaram nesta sexta-feira, 5, sua ofensiva final para atrair eleitores a participarem das legislativas antecipadas, que poderão levar a extrema direita de Marine Le Pen ao poder.

O presidente de centro-direita, Emmanuel Macron, chocou a França com a inesperada antecipação eleitoral que justificou como forma de bloquear o Reagrupamento Nacional (RN) de Le Pen, que venceu as eleições europeias de 9 de junho.

Mas o RN e seus aliados venceram o primeiro turno das legislativas com um terço dos votos, à frente da coligação de esquerda Nova Frente Popular (NFP, 28%) e da aliança de centro-direita de Macron, Juntos (20%).

Para o segundo turno de domingo, o bloco de extrema direita é o único com chances de alcançar a maioria absoluta de 289 deputados e nomear Jordan Bardella como primeiro-ministro, mas suas possibilidades foram reduzidas após um acordo entre seus adversários.

A "urgência" é "impedir a todo custo" a chegada da extrema direita ao poder, reiterou esta sexta-feira a líder ambientalista Marine Tondelier à Franceinfo, que apelou aos eleitores para que votem em opositores ao RN.

"Mais do que nunca, temos que votar. É realmente urgente. Não podemos deixar o país nas mãos dessas pessoas", alertou na quinta-feira o capitão da seleção francesa de futebol, Kylian Mbappé, denunciando os "resultados catastróficos" da primeira rodada.

A NFP, que inclui socialistas, ambientalistas, comunistas e o França Insubmissa (esquerda radical), e a aliança de Macron formaram uma "frente republicana" para impedir o primeiro governo de extrema direita desde a libertação da França da Alemanha nazista.

Este acordo implica a retirada do candidato "republicano" com menos probabilidades de vencer nas circunscrições onde ambas alianças se qualificarem para o segundo turno, contra um candidato de extrema direita em posição de força.

"Se não obtivermos a maioria absoluta no domingo, o país ficará bloqueado", escreveu Le Pen nesta sexta-feira na rede social X, quando as últimas projeções lhe indicavam entre 200 e 230 assentos dos 577 da Assembleia Nacional (câmara baixa).

Resultado incerto

Embora os franceses caminhem no sentido de redirecionar os três blocos formados nas eleições de 2022 – esquerda, centro-direita e extrema direita – a formação de um novo governo parece complicada.

O primeiro-ministro de centro-direita, Gabriel Attal, já anunciou nesta sexta-feira que seu governo está disposto a continuar "o tempo que for necessário" para garantir a continuidade do Estado. A França sediará os Jogos Olímpicos de Paris a partir de 26 de julho. 

Sem maiorias certas em nenhum dos blocos, várias hipóteses começam a surgir: de uma "grande coligação" entre a esquerda (sem o França Insubmissa), o partido no poder e os deputados de direita que não se aliaram ao RN, até um governo técnico.

As primeiras projeções serão conhecidas no encerramento das assembleias de voto, no domingo, a partir das 20h locais (15h em Brasília), após uma campanha tensa no segundo turno.

"Esta campanha é curta e no entanto já temos 51 candidatos, suplentes e ativistas agredidos fisicamente", disse o ministro do Interior, Gérald Darmanin, à rede BFMTV, acrescentando que mais de 30 pessoas foram detidas.

A porta-voz do governo, Prisca Thevenot, denunciou um ataque na noite de quarta-feira, assim como candidatos de esquerda e um de extrema direita.

Temendo "distúrbios" após a divulgação do resultados, as autoridades planejam mobilizar 30 mil agentes no domingo, sendo 5 mil em Paris.

Antes do primeiro turno, Macron alertou que os programas eleitorais dos seus adversários de extrema direita e da esquerda radical levariam à "guerra civil".

Acompanhe tudo sobre:FrançaEmmanuel MacronEleições

Mais de Mundo

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Discurso de Trump não empolga e foco volta para possível saída de Biden; veja episódio

Telão da Times Square fica escuro após apagão cibernético; veja vídeo

Mais na Exame