Mundo

Países da Celac devem condenar tentativa de golpe de Estado na Bolívia em reunião nesta quinta-feira

Para governo brasileiro, apesar de golpe ter sido sufocado, situação requer cautela

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 27 de junho de 2024 às 08h31.

Última atualização em 27 de junho de 2024 às 08h33.

Os líderes dos países da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) se reúnem, na tarde desta quinta-feira, 27, para discutir a situação na Bolívia. A expectativa é que saia uma declaração conjunta condenando a tentativa de golpe militar no país, que surgiu e foi abortada na quarta-feira, 26.

A reunião de emergência, que acontecerá em formato virtual, foi articulada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para interlocutores do governo brasileiro, embora Arce tenha saído mais forte, por ter sufocado o movimento, a situação ainda merece atenção redobrada.

A mensagem a ser levada aos militares  que apoiaram o golpe é que a Bolívia ficará isolada, se insistirem em romper com a democracia no país. Com esse argumento, Lula telefonou para a presidente de Honduras, Xiomara Castro, que ocupa a presidência pro tempore da Celac, para que a reunião fosse convocada.

Os

Um importante interlocutor do governo brasileiro disse que a reação internacional funcionou como um cerco político ao general Juan José Zuñiga, apontado como o responsável pela tentativa de golpe de Estado, e seus apoiadores. E o Brasil teve um papel importante, pois é considerado estratégico pelos bolivianos.

O Brasil é um grande importador de gás boliviano. Ano passado, comprou quase US$ 600 milhões do país, dando uma relevante contribuição para as contas públicas da Bolívia. O governo brasileiro não hesitaria em romper relações com os vizinhos.

O general Zuñiga foi preso e o clima é de aparente tranquilidade. Mas a avaliação é de que todo cuidado é pouco na tentativa de debelar movimentos antidemocráticos.

Se o golpe se confirmasse, a Bolívia estaria descumprindo a cláusula democrática que está no Protocolo de Ushuaia, firmado em 1998 pelos países da região. O país, que está prestes a entrar no Mercosul, seria punido com o isolamento, incluindo a participação em acordos de cooperação e preferências comerciais.

No próximo dia 9 de julho, Lula viajará para a Bolívia, onde se reunirá com Luis Arce. A viagem já estava programada, antes do episódio de quarta-feira, mas a situação no país chegou a pesar em uma avaliação interna, sobre a ida do presidente do pais. Antes, Lula participará de um encontro de presidentes do Mercosul, no Paraguai.

Acompanhe tudo sobre:BolíviaBrasilMilitares

Mais de Mundo

'A defesa da democracia é mais importante do que qualquer título', diz Biden em discurso

Governo Lula se diz irritado com falas de Maduro, mas evita responder declarações

Netanyahu discursa no Congresso americano sob protestos de rua e boicote de dezenas de democratas

Em discurso a irmandade negra, Kamala pede ajuda para registrar eleitores e mobilizar base a votar

Mais na Exame