Mundo

Bruce Ackerman: A eleição do Irã pode trazer paz duradoura no Oriente Médio

OPINIÃO | Se o candidato da oposição Masoud Pezeshkian vencer e suceder o Presidente Ebrahim Raisi, que morreu em um acidente de helicóptero no mês passado, os formuladores de políticas dos EUA devem responder de forma construtiva

O candidato presidencial iraniano e reformista Massoud Pezeshkian deposita seu voto em uma seção eleitoral em Teerã durante a eleição presidencial do Irã em 28 de junho de 2024 (Foto por ATTA KENARE / AFP) (Atta Kenare/AFP)

O candidato presidencial iraniano e reformista Massoud Pezeshkian deposita seu voto em uma seção eleitoral em Teerã durante a eleição presidencial do Irã em 28 de junho de 2024 (Foto por ATTA KENARE / AFP) (Atta Kenare/AFP)

Bruce Ackerman
Bruce Ackerman

Professor de Yale

Publicado em 28 de junho de 2024 às 09h54.

NEW HAVEN – A decisão do Presidente francês Emmanuel Macron de dissolver o parlamento e convocar uma eleição antecipada neste domingo desviará a atenção do mundo de outro possível terremoto político. Na sexta-feira, os eleitores iranianos preencherão a vaga deixada pela morte do Presidente Ebrahim Raisi em um acidente de helicóptero no mês passado.

Mesmo sem a votação francesa, seria tentador banalizar a importância da eleição iraniana. Afinal, o Líder Supremo da República Islâmica, Ali Khamenei, é um amargo opositor do Ocidente, e Raisi, seu fiel seguidor, venceu decisivamente em 2021. Então, Khamenei não irá simplesmente manipular a próxima votação de uma maneira que assegure a vitória de outro extremista linha-dura?

Não tão rápido. A política iraniana tomou uma virada decisiva nos três anos entre a ascensão e a queda de Raisi. Segundo a constituição do Irã, os candidatos devem ser aprovados pelo Conselho de Guardiões, dominado pela elite clerical, antes que possam concorrer ao cargo. Em 2021, Raisi deveu sua vitória à recusa do Conselho em conceder uma vaga na cédula a qualquer forte oponente do anti-ocidentalismo militante de Khamenei.

Mas o aumento dos protestos públicos forçou o Conselho a permitir que um dos principais oponentes de Khamenei entrasse na disputa desta vez – sob condições que tornam muito provável que ele vença e revolucione a política em uma direção pró-Ocidente. Como consequência, se a administração do Presidente dos EUA Joe Biden jogar suas cartas corretamente, a vitória de um pacificador iraniano pode muito bem permitir – acredite ou não – paz duradoura no Oriente Médio.

Se isso acontecer, em vez de buscar um acordo de cessar-fogo frágil, o Secretário de Estado dos EUA Antony Blinken pode começar a construir um arranjo multilateral no qual os EUA e o Irã servem como garantidores militares de uma solução de dois estados para israelenses e palestinos.

Para ver como, volte a 2021 e considere como a proibição dos Guardiões a oponentes sérios provocou alienação pública generalizada. Embora Raisi tenha vencido facilmente sobre rivais linha-dura, isso ocorreu porque a maioria dos iranianos se recusou a votar. Para ser preciso, apenas 49% dos 59 milhões de eleitores do Irã foram às urnas – abaixo dos 70% quatro anos antes.

Esse boicote tácito serviu como base para o ativismo de base. Um ponto de virada ocorreu no outono de 2022, quando uma jovem mulher, Mahsa Amini, foi presa por não cobrir o rosto em público e morreu sob custódia policial três dias depois. Sua morte provocou manifestações em todo o país, e o governo respondeu com apagões na mídia, gás lacrimogêneo e tiros que mataram centenas de manifestantes no ano seguinte. Apesar da repressão brutal, estudantes e trabalhadores continuaram a se engajar em protestos pacíficos contra o extremismo de Raisi.

A morte de Raisi desencadeou outro ciclo de protestos. O movimento de oposição exigiu que, ao contrário de 2021, alguns de seus próprios líderes fossem autorizados a fazer campanha pela presidência, e prometeu que, caso contrário, organizariam manifestações de rua maciças que catapultariam o país à beira de uma guerra civil.

Os Guardiões cederam a essa demanda. Embora tenham aprovado cinco linha-duras para concorrer na eleição, também permitiram que Masoud Pezeshkian colocasse seu nome na cédula. Pezeshkian representa um contraste surpreendente com seus rivais. Em vez de buscar inspiração divina, ele foi para a faculdade de medicina, tornou-se cirurgião cardíaco e serviu como presidente da Universidade de Ciências Médicas de Tabriz por cinco anos. Entre 2001 e 2005, ele foi ministro da Saúde do Irã, antes de se voltar para a política eleitoral, servindo como primeiro vice-presidente do parlamento de 2016 a 2020.

Poucos iranianos combinaram realizações acadêmicas, burocráticas e políticas de maneira tão notável. Além disso, Pezeshkian respondeu à morte brutal de Amini em 2022 denunciando imediatamente os esforços da polícia "para implementar a fé religiosa por meio do uso da força." Na época, ele não sabia se Raisi responderia ordenando sua prisão – motivo pelo qual muitos outros elites iranianas mantiveram silêncio.

A decisão dos Guardiões de permitir que cinco linha-duras concorressem apenas melhorará as chances de Pezeshkian. Na verdade, com o voto religioso fragmentado, um campeão do Iluminismo poderia vencer por esmagadora maioria.

Se Pezeshkian vencer, uma mudança dramática na visão de longa data dos EUA sobre o Irã como seu arqui-inimigo será essencial para responder de forma construtiva. Blinken, felizmente, é ágil o suficiente para tal reviravolta. Além disso, sua diplomacia de vaivém incessante no Oriente Médio significa que ele pode prontamente contatar potenciais negociadores iranianos.

Não menos importante, Biden estará ansioso para levar os relatórios de Blinken a sério, porque a divisão na comunidade judaico-americana e a crescente oposição dos árabes-americanos à sua candidatura representam uma grande ameaça à sua reeleição. A ameaça ficará ainda maior depois que o Primeiro-Ministro israelense Binyamin Netanyahu chegar a Washington para se dirigir a uma sessão conjunta do Congresso em 24 de julho. Nesse ponto, Biden poderia estar em posição de convidar Netanyahu para se juntar a negociações multilaterais com o Irã. Tal cenário poderia não apenas reduzir dramaticamente o risco de proliferação nuclear e uma guerra mais ampla no Oriente Médio, mas também preparar o caminho para uma solução de dois estados que permitiria que tanto Israel quanto a Palestina coexistissem em paz.

A morte de Raisi representa uma rara oportunidade na qual líderes políticos de rivais de longa data têm incentivos poderosos para inaugurar uma nova era de diplomacia. Mas Biden deve aproveitar o momento. Se ele ver Pezeshkian como um inimigo, Khamenei será capaz de sabotar a popularidade do novo presidente e convencer os eleitores a repudiar sua visão iluminista na próxima vez.

Esta não é a primeira vez na história recente que algumas decisões rápidas na Casa Branca determinam o futuro do Oriente Médio. Algumas levaram a anos de amargo conflito. Esta poderia marcar um caminho para a coexistência pacífica nas próximas décadas.

Direitos autorais: Project Syndicate, 2024. http://www.project-syndicate.com

Acompanhe tudo sobre:IrãOriente Médio

Mais de Mundo

Republicanos exigem renúncia de Biden, e democratas celebram legado

Apesar de Kamala ter melhor desempenho que Biden, pesquisas mostram vantagem de Trump após ataque

A estratégia dos republicanos para lidar com a saída de Biden

Se eleita, Kamala será primeira mulher a presidir os EUA

Mais na Exame