Mundo

Biden defende sua candidatura em entrevista para TV americana

Voz apagada e algumas respostas com frases incompletas ou desconexas podem trazer novas preocupações ao presidente

Joe Biden, presidente dos EUA: Biden defende sua candidatura após fiasco em debate (SAUL LOEB / AFP)

Joe Biden, presidente dos EUA: Biden defende sua candidatura após fiasco em debate (SAUL LOEB / AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 6 de julho de 2024 às 08h20.

O presidente dos Estados Unidos Joe Biden persistiu na última sexta-feira, 5, na defesa da sua candidatura à presidência americana, durante uma entrevista em que se esquivou de perguntas sobre sua agilidade mental.

A entrevista à rede de TV ABC, Biden pretendia virar a página do seu desempenho desastroso no primeiro debate eleitoral contra Donald Trump. Porém, sua voz apagada e algumas respostas com frases incompletas ou desconexas não parecem que vão livrá-lo dos problemas.

“Ninguém está mais qualificado do que eu [para vencer as eleições]", afirmou o presidente democrata, 81, em uma tentativa de silenciar as vozes dentro do seu partido que lhe pedem que se retire da disputa eleitoral.

Biden respondeu evasivamente às insistentes perguntas do jornalista George Stephanopoulos sobre sua capacidade cognitiva. Quando perguntado se estaria disposto a se submeter a um teste, o presidente respondeu: “Faço um teste cognitivo todos os dias. Não estou apenas fazendo campanha, mas também dirigindo o mundo."

Durante 22 minutos, Biden atribuiu seu mau desempenho no debate contra Trump, durante o qual se mostrou confuso e chegou a divagar, a uma "noite ruim" causada por um resfriado e cansaço extremo.

"Estava doente, eu me sentia péssimo", explicou o presidente, que não acredita nas pesquisas que dão a Trump uma vantagem em nível nacional e nos estados-chave. Para ele, a disputa com o republicano está acirrada.

O jornalista perguntou a Biden se ele havia assistido posteriormente ao seu debate com Trump. "Acho que não", respondeu o presidente.

"Biden está em em negação e decadência", publicou na rede social X a porta-voz de Trump, Karoline Leavitt.

'Senhor todo-poderoso'

Os amigos de Biden foram menos duros, porém críticos. "O presidente está legitimamente orgulhoso da sua história, mas perigosamente desconectado das preocupações das pessoas com sua capacidade de avançar e sua posição nessa corrida”, publicou na rede social X o influente David Axelrod, ex-estrategista de Barack Obama.

O candidato democrata ainda tem um caminho pela frente para apagar a má impressão que deixou no debate, cujas consequências imediatas não soube gerenciar.

Quatro congressistas democratas já pediram a Biden que desista da disputa. A governadora Maura Healey pediu que ele avalie sua candidatura "cuidadosamente".

O presidente ignorou os apelos: "Se o Senhor todo-poderoso descesse e dissesse: ‘Joe, deixe a corrida’, eu deixaria a corrida. Mas ele não vai descer."

O democrata parecia bem menos enérgico na entrevista do que durante um comício no qual discursou com a ajuda de um teleprompter pouco antes, no estado de Wisconsin, no qual afirmou: "Sou candidato e vou vencer novamente."

"Deixem-me ser claro: sigo na corrida. Vou derrotar Donald Trump" nas eleições de novembro, insistiu Biden, diante de milhares de apoiadores. Combativo e determinado, ele tentou responder às preocupações sobre sua idade. "Acham que sou muito velho para vencer Donald Trump?", perguntou, recebendo um enfático "Não!" do público como resposta.

Acompanhe tudo sobre:Joe BidenEleições americanas

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame