Mundo

Avião da Delta faz pouso de emergência nos EUA depois de servir comida mofada

Cerca de 20 pessoas tiveram de ser atendidas depois de comer alimentos estragados servidos a bordo; voo saiu de Detroit para Amsterdã com quase 300 passageiros. Companhia diz que está revisando os protocolos

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 7 de julho de 2024 às 14h40.

A aérea americana Delta Airlines informou que está revisando todo protocolo de alimentação servido a bordo para seus voos internacionais. Na última quarta, 3, um avião que saiu de Detroit, no estado americano do Michigan, com destino a Amsterdã, na Holanda, realizou um pouso de emergência em Nova York depois de a tripulação constatar que alguns pratos com frango servidos aos passageiros estariam estragados.

A aeronave sobrevoava o Canadá, prestes a atravessar o Atlântico, quando os pilotos declararam emergência médica e retornaram aos Estados Unidos para atender cerca de 20 passageiros que passaram mal após consumir os alimentos. O voo levava 277 passageiros para a cidade holandesa. A irregularidade só foi observada depois que o serviço de bordo já tinha sido iniciado.

Investigação

Uma porta-voz da empresa não informou com exatidão quantas pessoas tinham consumido a comida com bolor, mas, ao aterrissar em Nova York, cerca de 20 pessoas foram examinadas por equipes médicas. Elas não precisaram ser hospitalizadas, informou a empresa.

A empresa informou que a tripulação não ingeriu os pratos, e disse ainda que uma investigação interna irá apurar o incidente.

A Delta afirmou ainda que ações de correção e fiscalização foram realizadas imediatamente após o ocorrido, pedindo 'sinceras desculpas' pela inconveniência e pelo atraso na rota.

Acompanhe tudo sobre:Delta Air LinesAviação

Mais de Mundo

Trump terá força para pacificar o mundo e conter Rússia, diz 'pai' do Brexit à EXAME

Eleição nos EUA: Trump vai inflamar ou moderar o discurso na convenção republicana?

Biden continua apresentando sintomas leves de covid-19, diz médico do presidente

Aliada de Macron é eleita presidente do Parlamento em 1º teste de forças após as eleições na França

Mais na Exame