Invest

Ibovespa fecha em alta e recupera os 128 mil pontos com CPI surpreendente

Mercado aumenta aposta de que Fed fará três cortes de juros ainda neste ano, após inflação sair abaixo das expectativas nos EUA

Ibovespa: CPI de junho vem abaixo das expectativas e mercado reage positivamente (Cris Faga/NurPhoto/Getty Images)

Ibovespa: CPI de junho vem abaixo das expectativas e mercado reage positivamente (Cris Faga/NurPhoto/Getty Images)

Rebecca Crepaldi
Rebecca Crepaldi

Repórter de finanças

Publicado em 11 de julho de 2024 às 10h34.

Última atualização em 11 de julho de 2024 às 17h42.

O Ibovespa fechou em alta de 0,85%, a 128.294 pontos, nesta quinta-feira, 11. O dia foi marcado por um grande otimismo no mercado, após a divulgação do Índice de Preços ao Consumidor de junho (CPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, que veio abaixo do esperado e, inclusive, no campo negativo. O mercado esperava um registro de +0,1%, enquanto o indicador de junho ficou em -0,1%.

Ibovespa hoje

  • IBOV: +0,85% aos 128.294 9 pontos

O número animou os investidores globais, já que confirma a visão de que as pressões inflacionárias estão cedendo. Segundo Paulo Gala, economista-chefe do Banco Master, o recuo do CPI inclusive aumentou a chance de três cortes de juros pelo Federal Reserve (Fed, banco central americano) agora no segundo semestre.

“O mercado começa a enxergar a possibilidade de um corte em setembro e, eventualmente, mais dois cortes até o final do ano. Isso melhora muito o cenário para o Brasil, já que dá força para a moeda brasileira se apreciar e retornar para mais perto dos R$ 5. Os juros longos também devem cair e o Ibovespa deve se recuperar ainda mais. É uma visão bem mais otimista do que a gente tinha antes. O CPI de hoje foi realmente surpreendente.”

Segundo dados com ajuste sazonal divulgados nesta quinta-feira, pelo Departamento do Trabalho americano, a inflação em 12 meses desacelerou de 3,3% em maio para 3% em junho, o que também é abaixo das expectativas do mercado. O consenso LSEG previa uma alta de 3,1% em 12 meses.

O núcleo da inflação, que desconsidera itens voláteis como alimentação e energia, registrou uma alta de 0,1% em junho, após subir 0,2% em maio. Com isso, o avanço em 12 meses do núcleo foi de 3%, ante os 3,4% no mês anterior.

Vendas do varejo

De olho na agenda de indicadores no Brasil, as vendas do varejo também surpreenderam e vieram bem acima das expectativas. A Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada na manhã de hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), mostrou um avanço em maio de 1,2% comparado a abril, enquanto as expectativas apontavam para uma queda de 0,5%. Isto fez a média móvel trimestral avançar 0,8%.

Segundo o economista André Perfeito, os dados sugerem que a atividade doméstica está se sustentando com um mercado de trabalho resiliente e renda real firme, o que permite uma dinâmica mais favorável para o Produto Interno Bruto (PIB).

“Contudo há que se ponderar aqui como o mercado pode interpretar o dado. Como o ambiente das expectativas está ainda tumultuado, com discordâncias sobre o processo de ancoragem da inflação em horizontes mais longos, talvez o mercado leia os bons dados de hoje como um sinal ruim”, explica o economista. Isso porque, segundo Perfeito, investidores podem avaliar que, se a atividade está mais forte, a Selic não está tão alta assim.

Dólar hoje

Nesta quinta-feira, 11, o dólar fechou em alta de 0,55% a R$ 5,442. Na última sessão, a moeda fechou em queda de 0,04%, a R$ 5,412.

Como é calculado o índice Bovespa?

Principal índice de ações da bolsa brasileira, a B3, o Ibovespa é calculado em tempo real, baseado na média do desempenho dessa carteira teórica de ativos, cada uma com seu peso na composição do índice.

Funcionando como um termômetro do desempenho consolidado das principais ações para o mercado, cada ponto do Ibovespa equivale a 1 real. Por isso, se o IBOV está em 100.000 pontos, isso quer dizer que o preço da carteira teórica das ações mais negociadas é de 100.000 reais.

Que horas abre e fecha a bolsa de valores?

O horário de negociação na B3 vai das 10h às 17h. A pré-abertura ocorre entre 9h45 e 10h, enquanto o after-market ocorre entre 17h25 e 17h45. Já as negociações com o Ibovespa futuro ocorrem entre 9h e 16h55.

Acompanhe tudo sobre:IbovespaDólarbolsas-de-valores

Mais de Invest

“Não tente acertar o futuro”: a lição de Howard Marks a investidores brasileiros

Renda variável x renda fixa: como escolher o que é melhor para mim?

“Continuamos acreditando que o governo vai fazer o certo”, diz CEO do Santander

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 65 milhões na poupança

Mais na Exame