Future of Money

Gestora Bernstein reforça projeção de bitcoin a US$ 200 mil até o fim de 2025

Analistas seguem otimistas com criptomoeda mesmo com queda recente de preço e pressões de venda significativas

Bitcoin voltou a cair com incertezas no mercado (Reprodução/Reprodução)

Bitcoin voltou a cair com incertezas no mercado (Reprodução/Reprodução)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 10 de julho de 2024 às 16h27.

A gestora Bernstein reforçou nesta semana a sua projeção de que o bitcoin vai terminar o ano de 2025 cotado na casa dos US$ 200 mil. Atualmente, a criptomoeda opera abaixo de US$ 60 mil e teve uma forte queda em meio a uma intensa pressão de venda no mercado.

Mesmo com esse cenário, os analistas mantiveram a projeção para o próximo ano. Em junho, o Bernstein elevou a previsão de US$ 150 mil para US$ 200 mil, citando um desempenho melhor que o esperado dos ETFs de bitcoin dos Estados Unidos, com uma alta demanda.

Os analistas acreditam que a criptomoeda também caminha para atingir US$ 500 mil até o fim de 2029 e US$ 1 milhão até 2033. Na visão da gestora, a queda recente do ativo representa uma volatilidade de curto prazo que não altera a tendência de valorização no longo prazo, com uma adoção institucional crescente.

Mineração de bitcoin e IA

No mesmo relatório, o Bernstein recomendou a compra de ações das mineradoras de bitcoin Core Scientific e IREN, citando um potencial ainda não precificado no mercado de parcerias entre esse segmento e as empresas do setor de inteligência artificial.

A Core Scientific, por exemplo, anunciou em junho uma parceria com a empresa de IA CoreWeave, enquanto a IREN fechou uma parceria com a startup Poolside em fevereiro. Para os analistas, as mineradoras estão surgindo como "parceiros atraentes" para o setor de IA.

O motivo é a capacidade dessas companhias de operar e interconectar centros de dados, algo que já ocorre para sustentar a mineração de bitcoin e que também é necessário para um bom funcionamento de ferramentas e modelos de inteligência artificial.

A expectativa do Bernstein é que esse cenário favoreça uma mudança de posição das mineradoras, com ao menos 20% de toda a capacidade operacional dessas companhias mudando de cripto para IA até o fim de 2027.

“Os mineradores de bitcoin estão sendo subvalorizados por seu ‘portfólio de poder estratégico’ e opção de monetização em data centers de IA. Acreditamos que a linha de receita de IA fornece um piso negativo para os mineradores, com o bitcoin impulsionando a alta cíclica", argumentam.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:BitcoinCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Kamala Harris pode ser 'muito mais receptiva' às criptomoedas que Biden, diz Mark Cuban

Presidente do Banco Central quer "superapp" de finanças integrado com inteligência artificial

Ferrari anuncia que vai aceitar pagamentos em criptomoedas na Europa

Worldcoin, projeto de Sam Altman, nega acusações de insider trading de criptomoeda própria

Mais na Exame