Future of Money

Celestia: criptomoeda dispara mais de 20% e contraria queda no mercado

Projeto trouxe "abordagem modular" para o ecossistema cripto e busca oferecer alta velocidade de processamento e descentralização

Celestia busca facilitar lançamentos de projetos em cripto (Reprodução/Reprodução)

Celestia busca facilitar lançamentos de projetos em cripto (Reprodução/Reprodução)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 10 de julho de 2024 às 17h55.

A criptomoeda Celestia é um dos destaques do mercado nesta semana, contrariando uma forte queda disseminada entre os ativos e acumulando uma valorização de mais de 27% nos últimos sete dias, de acordo com dados da plataforma CoinGecko.

O desempenho da criptomoeda chama atenção principalmente pelo fato de que, em junho, o ativo foi um dos que mais desvalorizaram. Um levantamento da QR Asset aponta que, no mês passado, a moeda teve um recuo de 46,74%, com o quarto pior desempenho entre as 40 maiores criptos do mercado.

A nova disparada do ativo ocorre após uma tendência de queda que se estendeu pelos últimos cinco meses - despencando 70%-, gerando especulações sobre um sentimento negativo do mercado em relação ao projeto.

Por outro lado, dados de negociação de preços futuros indicam que os investidores ainda não estão totalmente confiantes com a capacidade da Celestia de reverter as quedas recentes: a maior parte das negociações de contratos futuros ainda são de queda do ativo.

Para analistas, o mercado pode estar subestimando o potencial do projeto e considerando apenas a queda passada, sem levar em conta possíveis valorizações. No caso da criptomoeda, os ganhos podem vir devido ao potencial da iniciativa e a sua proposta de ser um blockchain "modular".

A Celestia é uma rede blockchain que busca oferecer serviços de armazenamento de dados para outras redes, em especial as de segunda camada, gerando mais velocidade de processamento nesses projetos e facilitando a decentralização.

Já a criptomoeda do projeto, a tia, é um token usado para as transações na rede, essenciais para a realização de qualquer armazenamento de dados no blockchain. Os detentores do ativo também podem atuar como validadores das operações.

Para João Galhardo, analista da Mynt, a plataforma cripto do BTG Pactual, a valorização da Celestia nesta semana é uma correção da forte queda observada nos últimos meses, mas não indica uma nova tendência de valorização do ativo.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:CriptomoedasBlockchainCriptoativos

Mais de Future of Money

Bitcoin encerra semana com recuperação, mas riscos com pressão de venda continuam

SEC encerra investigações sobre criptomoeda pareada ao dólar BUSD

MicroStrategy, maior detentora de bitcoin, anuncia desdobramento de ações nos EUA

Ethereum ronda maior nível de criptos "travadas" em staking, enquanto mercado espera ETFs

Mais na Exame