Future of Money

Bitcoin mantém volatilidade enquanto mercado acompanha vendas pelo governo da Alemanha

Preço da criptomoeda teve forte queda nos últimos dias com vendas bilionárias realizadas pelas autoridades alemãs

Bitcoin voltou a cair com incertezas no mercado (Reprodução/Reprodução)

Bitcoin voltou a cair com incertezas no mercado (Reprodução/Reprodução)

João Pedro Malar
João Pedro Malar

Repórter do Future of Money

Publicado em 10 de julho de 2024 às 11h58.

O bitcoin opera nesta quarta-feira, 10, com elevada volatilidade, alternando entre leves altas e quedas enquanto o mercado ainda lida com uma forte pressão de venda no ativo. Dados da plataforma CoinGecko apontam que, por volta das 11h56, a criptomoeda acumulava alta de 0,6% nas últimas 24 horas, cotada a US$ 57.694.

Já o mercado de criptomoedas como um todo tem desempenho mais positivo no mesmo período, com alta acumulada de 1,4%. O ether, cripto nativa da Ethereum, também sobe mais, com 1,5% de valorização e cotado a US$ 3.101, enquanto os investidores ainda aguardam a liberação da SEC para lançamento dos ETFs do ativo.

Manuel Villegas, analista da Julius Baer, avalia que a cotação do bitcoin ainda reflete uma expectativa do mercado de aumento da oferta do ativo, gerada principalmente pelas vendas do governo da Alemanha nas últimas semanas e pelo início dos pagamentos para os antigos clientes da corretora falida Mt. Gox, após 10 anos.

Na visão do analista, a volatilidade deve "aumentar ainda mais" nas próximas semanas, exatamente devido às incertezas quanto a esses movimentos de venda. Há, ainda, incertezas sobre possíveis vendas realizadas por mineradores da criptomoeda, que podem ganhar força caso o preço do ativo se mantenha em um patamar de prejuízo para essas empresas.

"A abordagem adotada pelo governo alemão é, no mínimo, curiosa, dada a atual profundidade agregada do mercado através das bolsas centralizadas de criptografia e a sua capacidade de movimentar os mercados. De qualquer forma, a abordagem que seguiram não foi escalonada", destacou o analista.

Villegas aponta ainda que, por mais que o governo da Alemanha já tenha vendido a maior parte das unidades de bitcoin que possuía, a Mt. Gox transferiu apenas 2 mil das 47 mil unidades da criptomoeda que precisa enviar para seus antigos clientes. Caso esses clientes resolvam vender os ativos para realizar lucros, o impacto no preço do ativo pode ser significativo no curto prazo.

Por outro lado, Lucas Josa, analista da Mynt, plataforma cripto do BTG Pactual, avalia que será preciso acompanhar também os desdobramentos sobre a situação macroeconômica dos Estados Unidos. Caso o mercado aumente a probabilidade de cortes de juros no segundo semestre, o cenário ficaria mais favorável para as criptomoedas, abrindo margem para uma possível recuperação.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:BitcoinCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Kamala Harris pode ser 'muito mais receptiva' às criptomoedas que Biden, diz Mark Cuban

Presidente do Banco Central quer "superapp" de finanças integrado com inteligência artificial

Ferrari anuncia que vai aceitar pagamentos em criptomoedas na Europa

Worldcoin, projeto de Sam Altman, nega acusações de insider trading de criptomoeda própria

Mais na Exame