Logo Exame.com
ESG

Com IFC e BID, Natura capta R$ 1,33 bi para ampliar uso de bioingredientes da Amazônia

Emissão de debêntures é a primeira atrelada bioativos da floresta para uma empresa brasileira; bancos multinacionais de desenvolvimento vão investir R$ 500 milhões

Natura: emissão foi vendida com um spread de 1,20% acima do CDI, 25% abaixo da média das operações da companhia (Leandro Fonseca/Exame)
Natura: emissão foi vendida com um spread de 1,20% acima do CDI, 25% abaixo da média das operações da companhia (Leandro Fonseca/Exame)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

10 de julho de 2024 às 14:28

A Natura captou R$ 1,33 bilhão em debêntures atreladas ao uso de ingredientes bioativos da Amazônia, como Ucuuba, Andiroba, Patauá e Castanha. Foi a primeira operação de uma empresa brasileira com essa temática. Com prazo de cinco anos, a emissão foi vendida com um spread de 1,20% acima do CDI, 25% abaixo da média das operações da companhia.

Nessa empreitada, embarcaram dois bancos multinacionais de desenvolvimento, International Finance Corporation (IFC), do Banco Mundial, e o BID Invest, braço do Banco Interamericano de Desenvolvimento voltado para o setor privado. Juntos, os dois investiram R$ 500 milhões na emissão, sendo o IFC o âncora da emissão com R$ 300 milhões de investimento.

Saiba antes. Receba as notícias do INSIGHT no seu WhatsApp

Na estrutura do sustainability-linked bond, a companhia tem liberdade no uso dos recursos, mas se compromete com metas específicas de sustentabilidade. Um dos principais compromissos é o desenvolvimento de bioingredientes amazônicos, que já estão presentes em várias linhas de produtos, com destaque para a linha Ekos, criada em 2000.

Atualmente, a empresa desenvolveu 44 bioingredientes. O modelo de negócio que vem sendo implementado na Amazônia tem contribuído para a conservação de 2,2 milhões de hectares de floresta, em parceria com mais de 10 mil famílias locais. A meta é expandir para 47 ao fim de 2025 e 49 bioingredientes até 2027. A projeção é de que chegue a 55 em 2030, uma meta já não atrelada à emissão e que ajuda a companhia a alcançar o objetivo de reduzir em 90% sua emissão de carbono.

"Depois de 25 anos trabalhando com as comunidades, tínhamos informações suficientes para atrelar o indicador a um instrumento financeiro", diz Silvia Vilas Boas, vice-presidente de Finanças e Estratégia da Natura. “O processo de auditoria do IFC e do BID é muito profundo, olhando desde relações trabalhistas até manufatura e relação com comunidades”, destaca.

Se as metas não forem atingidas em cada tranche, a companhia paga um prêmio de 0,15 pontos-base na primeira verificação e 0,30 pontos-base na segunda verificação já em 2029, ano de vencimento da emissão. “É um risco que estamos dispostos a tomar em prol de conseguir fazer o desenvolvimento sustentável da região. Faz parte da estratégia da companhia e estamos mobilizados para isso.”

Mais instrumentos financeiros socioambientais

Essa não é a primeira emissão da Natura atrelada a metas de sustentabilidade, um tipo de operação que tem ganhado mais espaço no país. Em 2021, a companhia já havia emitido US$ 1 bilhão em títulos verdes com o objetivo de reduzir em 13% a emissão de carbono até 2026 e ampliar para 25% o uso de plástico reciclado em suas embalagens.

No entanto, diz Vilas Boas, o objetivo e grande desafio da companhia é fazer da grande maioria dos instrumentos financeiros atrelados a indicadores socioambientais. “É a forma que a gente tem de potencializar o impacto positivo da Natura como um todo. Mas não podem ser instrumentos tradicionais, teremos que buscar instrumentos inovadores, que permitam que os recursos cheguem para os nossos parceiros e não só para a companhia.”

Parte das metas estabelecidas pela Natura é descarbonizar 40% do escopo 3 da sua cadeia, que significa os fornecedores e parceiros. Um dos objetivos, por exemplo, é passar de 400 hectares para 40 mil hectares de agrofloresta – mais produtiva do que áreas de monocultura – até 2035. Mas é preciso garantir recursos aos fornecedores para melhorar a produção (como instrumentos que substituam a extração manual e usinas de extração de óleo essencial) e conseguir manter a área preservada. O ponto mais complexo, explica, é a informalidade e o alto custo de crédito para os produtores das comunidades.

Para isso, a Natura criou recentemente uma “aliança regenerativa”, para aumentar a cooperação entre instituições financeiras, empresas e comunidades locais. A empresa também quer priorizar a compra de crédito de carbono desenvolvido por comunidades da Amazônia, aumentando a geração de renda local. “Então temos apoiado eles nesse desenvolvimento. E isso requer funding. É uma jornada longa.”

Em dezembro, lançou um instrumento de blended finance em parceria com a Vert e o FunBio. Foram levantados R$ 12 milhões para financiar o agroextrativismo familiar na Amazônia. O projeto já beneficiou 10 cooperativas e associações agroextrativistas, com impacto positivo para mais de 1.800 famílias. O projeto opera por meio de dois instrumentos principais, o Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA) e o Enabling Conditions Facility (ECF ou Fundo Facilitador), um fundo filantrópico não-reembolsável. “Não somos uma empresa de prateleira, temos um modelo de negócio que também tem de gerar impacto”, diz a executiva.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Suzano dá play no Projeto Cerrado e mira ganho de margem e novos investimentos

Suzano dá play no Projeto Cerrado e mira ganho de margem e novos investimentos

Grupo Wine cria joint venture com Miolo e lança seus primeiros vinhos autorais

Grupo Wine cria joint venture com Miolo e lança seus primeiros vinhos autorais