Casual

Moscow Mule ganhou fama no Brasil por toque sutil de bartender; agora, ele lança versão em garrafa

O drink que surgiu nos Estados Unidos ganhou popularidade no Brasil graças a um detalhe inusitado criado pelo bartender Marcelo Serrano

Gilson Garrett Jr.
Gilson Garrett Jr.

Repórter de Lifestyle

Publicado em 10 de julho de 2024 às 08h28.

Última atualização em 10 de julho de 2024 às 08h29.

O Moscow Mule, um coquetel clássico, surgiu na década de 1940 e rapidamente se tornou uma bebida icônica nos Estados Unidos. A combinação única une vodka, refrigerante de gengibre e suco de limão. O Moscow Mule ganhou popularidade não apenas por seu sabor refrescante, mas também pela apresentação inusitada na caneca de cobre, que mantém a bebida gelada por mais tempo.

Aqui no Brasil, foi no final dos anos 2000 que houve a popularização do drink, graças ao bartender Marcelo Serrano, com algumas adaptações que o transformaram em um ícone local. Como na época ele não encontrava com facilidade o refrigerante de gengibre, ele resolveu substituir por uma espuma - era moda ao redor do mundo na alta gastronomia molecular. Estava pronta a receita que conquistaria o paladar brasileiro desde bares de alta coquetelaria até festas de formatura.

Agora, Serrano inova novamente e lança uma versão do drink em garrafa, pronta para beber. A receita foi desenvolvida em parceria com os sócios e bartenders da Nib Bebidas, Diego Dillon e Pablo Moya, que contam com mais de 20 anos de experiência no setor. A marca de bebidas prontas existe desde 2018 no mercado e tem outros clássicos como Cosmopolitan e Fitzgerald.

“Estamos muito felizes e honrados com essa parceria entre o Serrano e a Nib. Essa cocriação é uma expressão autêntica e sofisticada do clássico Moscow Mule. Nosso objetivo não é apenas capturar a essência do coquetel, mas também elevar sua experiência, oferecendo aos consumidores soluções práticas para um produto que reflete a nossa paixão pela qualidade e inovação na indústria de bebidas", reforçam os sócios Diego e Pablo.

Pablo Moya, Marcelo Serrano e Diego Dillon. (Mario Coelho/Divulgação)

E a espuminha?

Na versão em garrafa, o trio juntou vodka, limão, gengibre e um bitter da Nib. A combinação criou um drink refrescante, cítrico e que torna prático tomar em casa um drink feito por um bartender renomado. A experiência, claro, não é a mesma de sentar em um balcão de um bar, mas cumpre bem o papel ao qual se propõe.

A garrafa de 700 ml custa R$ 119,90 e pode ser adquirida diretamente no site da marca. Para aqueles que querem ter a experiência completa, Serrano também desenvolveu a espuma de gengibre em parceria com a Nib. O kit custa R$ 157. Caso queira a garrafa, a espuma e a clássica caneca de cobre, o combo sai por R$ 210.

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:bebidas-alcoolicasBebidas

Mais de Casual

Próximo ao prédio mais alto de SP, restaurante com menu do Oriente Médio tem alma da boa comida

Chablis: por que os vinhos dessa região da França caíram no gosto do brasileiro?

"A Era das revoluções", de Fareed Zakaria, explica raízes do mundo contemporâneo; leia trecho

Do campo à xícara: saiba o caminho que o café percorre até chegar a sua mesa

Mais na Exame