Brasil

Aprovação de Lula volta a subir e chega a 54%, aponta Genial/Quaest

A desaprovação do trabalho do presidente caiu de 47% para 43%

A desaprovação do trabalho de Lula caiu de 47% para 43%, segundo Genial/Quaest (Ricardo Stuckert / PR/Divulgação)

A desaprovação do trabalho de Lula caiu de 47% para 43%, segundo Genial/Quaest (Ricardo Stuckert / PR/Divulgação)

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 10 de julho de 2024 às 08h05.

Última atualização em 10 de julho de 2024 às 14h52.

A aprovação do trabalho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) mostrou recuperação e voltou a subir após duas quedas consecutivas no início de 2024, segundo a pesquisa Genial/Quaest divulgada nesta quarta-feira, 10.

O percentual de brasileiros que aprovam o trabalho do presidente subiu de 50% para 54% neste mês de julho, enquanto a desaprovação caiu de 47% para 43%. Cerca de 4% não sabem ou não responderam sobre o governo do petista.

Com o resultado, Lula volta a ter a mesma aprovação registrada pelo levantamento em dezembro de 2023, antes das quedas registradas em fevereiro e maio. No último levantamento, a aprovação e desaprovação estavam empatadas tecnicamente.

Por que a aprovação de Lula subiu?

Segundo a pesquisa, a melhora da aprovação do presidente foi puxada pela população que ganha até dois salários mínimos, parcela na qual a aprovação subiu de 62% para 69% e a desaprovação recuou de 35% para 26%, e pelos entrevistados que têm entre 35 e 59 anos. Nessa faixa etária, 56% aprovam o trabalho do presidente (eram 50% em maio) e 41% desaprovam (48% em maio).

Entre as mulheres, o índice de aprovação oscilou positivamente de 54% para 57% e a desaprovação recuou de 44% para 39%. Na região Sudeste, a desaprovação recuou de 55% para 48%.

A avaliação geral do governo oscilou dentro da margem de erro e é hoje positiva para 36% (contra 33%) e negativa para 30% (contra 33%), enquanto 30% avaliam o governo como regular (eram 31% em maio).

Entrevistas de Lula

A Quaest perguntou a opinião dos eleitores sobre as entrevistas recentes de Lula a rádios, e constatou que 41% tomaram conhecimento e 59% não ouviram falar. A ampla maioria dos entrevistados concorda com as opiniões do presidente.

Para 90% o salário deve ser aumentado todo ano acima da inflação, 87% consideram muito altos os juros no Brasil, 84% consideram que as carnes consumidas pelos mais pobres deveriam ser isentas de impostos. Para 67% o governo não deve satisfação ao mercado, mas aos mais pobres, contra 29% que pensam o contrário.

Outro ponto de convergência entre as opiniões do presidente e o pensamento da população é a crítica à política de juros do Banco Central, que tem a concordância de 66% dos entrevistados e a discordância de 23%, enquanto 11% não sabem ou não responderam. A maioria, cerca de 53%, dos entrevistados não acredita que as falas do presidente tenham sido a principal razão da alta do dólar, contra 34% que responsabilizam Lula pela escalada da moeda americana e 13% que não sabem ou não responderam.

A pesquisa foi realizada entre os dias 5 e 8 de julho. Foram 2.000 entrevistas presenciais com eleitores de 16 anos ou mais. A margem de erro do levantamento é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos e o índice de confiança é de 95%. 

Acompanhe tudo sobre:Luiz Inácio Lula da Silva

Mais de Brasil

André Mendonça, do STF, dá 30 dias para governo concluir renegociação das multas da Lava-Jato

Força-tarefa extingue 30 pontos de queimada no Pantanal, diz Marina

CCJ do Senado adia votação da PEC do marco temporal de áreas indígenas

Preocupação do brasileiro com violência cresce em quase um ano e chega a 19%, aponta Genial/Quaest

Mais na Exame